História do LED


História do LED
wp-led031907: Henry Joseph Rodada descobre o efeito físico da eletroluminescência. Mas como ele estava a trabalhar noutro projeto, esta descoberta foi esquecida inicialmente.
1962: É lançado o primeiro díodo com luminescência vermelha, tipo GaAsP.
1971: Passam a estar disponíveis LEDs com outras cores: verde, laranja, amarela. Registaram-se melhorias contínuas na produção e eficácia de todos os LEDs.
1993: Foram demonstradas díodos emissores de InGaN  de altamente eficiente no espectro azul e verde, o que permitiu criar as condições para a emissão de luz branca com alto rendimento.
1995: O primeiro LED com luz branca criado por conversão de luminescência.
Durante mais de 30 anos,  os LED foram utilizados em várias aplicações industriais de painéis elétricos para instrumentos de medição, em produtos de consumo como telefones, Hi-fi, equipamentos ou computadores pessoais, em instalações de semáforos  rodoviários e ferroviários ou em interiores e exteriores de iluminação automóvel.
Nos últimos anos, a eficácia do LED coloridos aumentada até incríveis 100 lm / W ou mais, dependendo da cor e das condições de condução. Uma tendência que continuará no futuro.
Hoje o  LED branco tem uma eficácia que vai dos 45 aos 100 lm / W (eficiência depende da temperatura de cor e reprodução de cor)   e são cada vez mais utilizados na iluminação geral. A sua utilização em iluminação de emergência e iluminação decorativa começa a ser cada vez mais frequente. Mas a sua utilização em painéis publicitários também começa a ter um grande impacto, sobretudo porque permite maiores efeitos estéticos com um impacto superior a meios mais convencionais. Para além dos aspetos estéticos o impacto financeiro em manutenção e em consumo são também significativamente mais baixos do que nos sistemas convencionais.
Os LEDs também consomem eletricidade!
Quanto maior luz emitir um módulo de LED, mais eletricidade ele consome. Mas mais de 30% da energia é convertida em luz. Atualmente é possível obter 45 a 125 lm/ W, o que faz dos LEDs fontes de luz extremamente eficientes.
No entanto temos de chamar à atenção para o facto de certas cores serem mais eficientes, nomeadamente a cor vermelha, por vezes os dados destas cores são utilizadas para reforçar a eficiência de módulos de LEDs.
Os LEDs não são à prova de água!
Os LEDs são robustos, insensíveis, à prova de vibração e inquebráveis. Se forem usados corretamente, a humidade também não é um problema. Não é o LED em si (peças de metal), mas os vários conectores e componentes eletrónicos dos módulos de LEDs que são sensíveis, podem corroer-se e provocar a avaria dos mesmos.
Os módulos LEDs devem ser protegidos contra as influências ambientais, para que possam alcançar sua vida útil nominal de 35.000 a 50.000 horas. A humidade, água e spray devem ser mantidos longe dos componentes.
A proteção IP dos módulos deve ser adequada ao ambiente onde este forem instalados.


Classificação:
image_pdfimage_print
Marcados com: , ,

Deixe uma resposta